Basta frequentar um local de grande movimento no comércio para perceber que a mobilidade urbana é um dos grandes desafios na atualidade, tanto para o Brasil quanto para outros países. Isso porque a quantidade de veículos individuais só cresce e causa um inchaço no trânsito, dificultando a circulação das pessoas em algumas áreas das grandes cidades, principalmente onde se concentra a maior parte dos serviços e empregos.

Por conta disso, os engarrafamentos e a lentidão no trânsito tornaram-se constantes, gerando estresse nas pessoas e impactando negativamente na qualidade de vida da população. É nesse cenário aparentemente caótico que se inicia o debate sobre novas tecnologias e outras medidas voltadas à melhoria da mobilidade urbana.

Nos últimos anos, percebeu-se um grande incentivo ao mercado automobilístico no Brasil, o que favoreceu a produção e venda de novos veículos para a população. Isso claramente impactou o trânsito, afinal, as pessoas privilegiaram o transporte individual em detrimento do coletivo. A precariedade do sistema de transporte público em algumas localidades também tem impacto nas escolhas das pessoas, pois, andar de carro é obviamente mais cômodo e agradável.

Especialistas afirmam que se o poder público não apresentar soluções voltadas ao transporte coletivo, esse panorama dificilmente irá se alterar. Cabe, no entanto, o uso de tecnologias que favoreçam a mobilidade urbana, organizando o trânsito, conscientizando os cidadãos e desestimulando o uso dos transportes individuais.

A implementação de estacionamentos públicos rotativos, por exemplo, é uma forma de organizar o trânsito nas áreas de maior movimento das grandes metrópoles, democratizando o uso das vagas, diminuindo os congestionamentos e, por vezes, até reduzindo a quantidade de usuários de transporte individual. As taxas cobrados pelo uso das vagas são destinados ao governo municipal, que pode direcioná-los à melhoria do transporte público, por exemplo, concluindo um ciclo que beneficia a todos os cidadãos. Os impostos arrecadados das empresas que operam o sistema também fortalecem o caixa do município, criando fundos específicos dedicados ao desenvolvimento e investimento em novas tecnologias para melhoria da mobilidade urbana.

Essas medidas também aquecem o comércio local, afinal, com mais vagas próximas disponíveis e facilidade de acesso às lojas, a população é encorajada a comprar com maior frequência na própria cidade. Isso gera mais retornos ao desenvolvimento urbano e social, atrai mais empresários, que abrem novas oportunidades de emprego e colaboram na construção de uma atmosfera de progresso no município. Além disso, as melhorias no trânsito favorecem casos em que se necessita mais agilidade de locomoção, como ambulâncias ou pessoas que precisam ter acesso rápido a hospitais e farmácias. Sem dúvidas, a mobilidade urbana deve ser tratada como uma das pautas prioritárias, pois uma cidade com trânsito organizado impacta diretamente na qualidade de vida da população.